3×4: MICHEL GOMES

Nascido e criado em Padre Miguel, no Rio de Janeiro, Michel Gomes completou recentemente seus 15 anos de carreira. O ator, de 28 anos, teve seu primeiro contato com a arte ainda criança, através do projeto Talentos da Vila Vintém (T.V.V.), companhia teatral que conheceu através da associação de moradores da Vila Vintém.

– Foi lá onde eu comecei a atuar e, logo de cara, me identifiquei bastante com o teatro. Na verdade, eu ia para me divertir, para sair um pouco da rua, e acabei me apaixonando. O T.V.V. é muito importante na minha vida. Foi lá que eu descobri minha vocação, minha paixão, o dom que eu tenho. Então sou muito grato a isso, e a companhia permanece até hoje abrindo portas para muitos atores e moradores da comunidade – lembra Michel, que entrou no projeto aos 10 anos de idade.

Aos 12, surgiu o teste para o filme Cidade de Deus, um dos maiores sucessos do cinema brasileiro. Os primeiros trabalhos de Michel trouxeram a problemática da violência urbana, do crime organizado e do tráfico de drogas.

– Na época, a produtora O2 estava procurando atores não conhecidos do grande público para fazer este filme, que era bem próximo à nossa realidade. Foi nesse esquema que entrei para o Cidade de Deus e depois fiz vários outros trabalhos. Esse filme foi meu primeiro contato com o cinema, minha primeira vez em frente às câmeras. Eu não atuei no filme, eu me divertia, achava tudo muito bom, aproveitava cada momento. Sou muito grato por ter feito Cidade de Deus, porque realmente foi um filme que marcou minha vida.

Depois, atuou na série Cidade dos Homens, e nos filmes Última Parada 174 e Salve Geral, todos retratando uma realidade pesada e cruel, bem próxima à que Michel viveu.

– Nós somos atores, então representamos isso no cinema, na televisão, seja como for. Mas, ao mesmo tempo, não é fácil retratar isso, principalmente quando você sente na pele qual é a realidade. De qualquer forma, foi muito bom fazer todos esses trabalhos e eu tive um grande espaço no Última Parada 174, um filme muito pesado que fala da história de um menino de rua delinquente. Foi o trabalho que mais me consumiu como ator e como pessoa. O maior desafio da minha carreira e onde eu acho que comecei a ser visto como ator mesmo.

Na tv, também trabalhou em novelas como Viver a Vida e Joia Rara, da Globo, e Rebelde, da Record. Apesar de mídias diferentes, Michel tem dificuldade em comparar cinema e televisão.

– Até hoje me pergunto qual a grande diferença entre o cinema e a tv. Porque, falando por mim, não consigo ver diferença quando a gente faz aquilo que ama. Há muitas semelhanças, e é claro que o cinema tem uma visibilidade fora do comum, isso é nítido. Mas eu amo fazer, eu amo trabalhar, amo o que faço, então gosto de fazer tudo o que envolve a arte. Eu acho que a grande diferença, na verdade, está no teatro, porque lidar com o público, ao vivo, é bem mais complicado.

Atualmente, faz parte do elenco da série 3%, na Netflix, que foi renovada e terá sua segunda temporada – ainda sem data para estreia.

– Eu soube que iria rolar o teste para a primeira temporada de 3% através da minha empresária (a agente Carol Condé), e eu fiz o teste em dezembro, sem muito saber do que se tratava. Me passaram um texto e, quando cheguei para fazer o teste, encontrei com algumas pessoas que depois também se tornaram parte do elenco, como o Rodolfo Valente, a Bianca (Comparato), e aí fizemos alguns testes e foi muito legal, bateu uma energia muito boa, a gente conseguiu se olhar, trocar uma ideia. Tivemos um mês de preparação durante esse tempo e gravamos a série.

A grande ideia era fazer uma série 100% brasileira e, de acordo com Michel, ninguém esperava que a série seria tão bem recebida da forma que foi.

– E foi, com certeza, um grande trabalho na minha vida, na minha carreira. Aprendi muito como ser humano, cresci como ator. Fiquei muito empolgado que, depois de dez dias de estreia, a série foi renovada, então pra gente é uma delícia, um tesão. E eu estou amarradão para a segunda temporada. Realmente ainda não sei o que vai acontecer , mas estou totalmente confiante que será ainda melhor do que a primeira e assim a gente espera sempre. Enfim, é uma série que realmente mudou a minha vida.

Com 15 anos de carreira completos, Michel diz que só agora começou a prestar atenção em como passa tudo muito rápido. Assistindo à televisão em casa, num dia qualquer, ao trocar de canal se deparou com Cidade de Deus passando em um dos canais. Ali estava ele, aos 12 anos, brincando de atuar.

– Cara, veio realmente um filme na minha cabeça. Sabemos que, nesse meio, é sempre muito difícil trabalhar e, principalmente, manter a carreira. Graças a Deus, eu sempre trabalho, faço minhas coisas e isso para mim é muito importante. Eu preciso trabalhar cada vez mais porque é o que eu amo fazer, por mim eu morreria fazendo isso. Tenho sonhos como todo mundo. Sonho em fazer mais filmes, ganhar bons personagens, sonho em dirigir no cinema, em escrever um espetáculo, quero produzir minhas coisas. Ah, só quem sonha alcança.

Anúncios

Escrito por

Jornalista por profissão, vocação e paixão. ♡

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s